quarta-feira, 9 de novembro de 2011

REVISTA ÉPOCA

Estudo liga excesso de células cerebrais a autismo
Crianças com o transtorno têm 67% a mais de neurônios em área encarregada da comunicação, dizem cientistas americanos
Um grupo de cientistas americanos anunciou hoje ter encontrado indícios da causa do autismo, o transtorno de desenvolvimento que atinge principalmente meninos e afeta a habilidade de relacionamento e comunicação. A equipe, liderada pelo neurocientista Eric Courchesne, divulgou um artigo na publicação científica Journal of The American Medical Society (Jama) afirmando que o excesso de células em uma região do cérebro parece guardar relação com a existência do transtorno em crianças.
Courchesne comparou o cérebro de sete meninos autistas já mortos com o de seis garotos sem o transtorno. Em uma área chamada córtex pré-frontal, o número de células nas crianças com autismo era 67% maior. Essa região é justamente a encarregada da comunicação, linguagem e outras habilidades cognitivas prejudicadas pelo transtorno.
Como o tipo de célula presente no córtex pré-frontal dos meninos com autismo só é desenvolvida durante a gestação, os pesquisadores acreditam que as causas do transtorno estão relacionadas a alguma desordem pré-natal. Essas células normalmente se proliferam entre 10 e 20 semanas de gestação, mas no terceiro trimestre de gravidez, o organismo absorve uma parte delas. Alguma falha nesse processo pode ter relação com o desenvolvimento do autismo.
Os pesquisadores já sabiam que crianças com autismo tinham a circunferência da cabeça maior, mas não tinham certeza do motivo. A pesquisa foi a primeira a testar a hipótese de que o excesso de células era a causa.
O estudo é importante porque até hoje a origem do autismo permanece incompreendida por médicos e cientistas. Há indícios de que o transtorno tenha causas genéticas. Na década de 1990, um estudo associando a presença de mercúrio em vacinas contra sarampo, caxumba e rubéola ao desenvolvimento de autismo criou polêmica. Pesquisas posteriores demonstraram que os dados do estudo não eram verdadeiros e desfizeram o equívoco. A descoberta da equipe de Courchesne esta semana reforça a ideia de que é pouco provável que fatores ambientais estejam por trás das causas do autismo.

sábado, 17 de setembro de 2011

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

PESQUISANDO A CURA




Imerso em pesquisa, o biólogo Alysson Muotri em seu laboratório na

Universidade da Califórina

onde estuda drogas que podem reverter o autismo.


Saber mais sobre como
os neurônios se comportam ao longo de nossa vida sempre fascinou o
biólogo Alysson Muotri. Depois do doutorado em genética na USP e uma
passagem por Harvard, Muotri passou 6 anos no Instituto Salk, na
Califórnia, que já abrigou prêmios Nobel como o inglês Francis Crick, um
dos descobridores da estrutura do DNA. Nesse período, se aprofundou em
como neurônios surgem no cérebro adulto. Os estudos na área o levariam a
uma explicação inédita e uma possível cura para o autismo — que atinge
uma a cada 110 crianças norte-americanas. “Conseguimos abalar um dos
grandes dogmas da neurociência, aquele de que doenças mentais não têm
cura.”




A grande revelação científica de
Muotri, já professor do Departamento de Pediatria e Medicina Celular e
Molecular da Universidade da Califórnia, foi descobrir que, em cérebros
autistas, novos neurônios se formam com mais facilidade devido a uma
mutação genética. Em pessoas comuns, o surgimento desses neurônios na
fase adulta é possível porque nosso cérebro possui células-tronco
(capazes de se diferenciar em diversas estruturas de nosso corpo)
adormecidas.




Quando estimuladas , por exemplo
por novas experiências e aprendizados, elas se transformam em
neurônios. “Isso acontece graças à ativação de determinadas nsequências
de genes, chamadas de elementos transponíveis.”

Na
maioria das pessoas, exercitar a mente, seja lendo um livro, jogando
xadrez ou aprendendo a tocar um instrumento, desperta os tais elementos
transponíveis.




Porém, os autistas não
precisariam de tanto exercício. Segundo a pesquisa de Muotri, eles já
possuem esse sistema naturalmente mais ativo do que gente saudável. Em
tese, isso seria bom, já que um cérebro dinâmico pode gerar habilidades
extraordinárias, como uma supermemória ou destreza em cálculos
matemáticos.




Mas isso também multiplica a
chance de mutações que tornam os neurônios autistas defeituosos. Por
exemplo, são menores e têm menos capacidade de completar sinapses, as
regiões de comunicação entre as células cerebrais.




O pesquisador e sua equipe
retiraram células da pele de pacientes autistas e saudáveis, depois
fizeram com que elas voltassem a ser células-tronco e as submeteram a um
ambiente similar ao do cérebro, usando vitaminais e sais minerais.
“Assim, conseguimos que essas células se comportassem como neurônios”,
diz Muotri. Acompanhando sua evolução, o grupo observou o surgimento dos
defeitos nos neurônios autistas. Com o tempo, eles se atrofiavam. O
passo seguinte foi testar várias substâncias para reverter o problema.
Duas delas — o hormônio Insulin Grow Factor 1 (IGF1) e o antibiótico
Gentamicina — provaram ser eficazes. “Em tese, curamos o autismo, mas
ainda há vários testes para que essas drogas possam chegar ao mercado.”




Em caráter experimental, uma
equipe de médicos do Children´s Hospital, em Boston, nos EUA, já usa as
substâncias em um grupo de 10 crianças autistas. No entanto, os efeitos
colaterais ainda não são completamente conhecidos. “Pode haver perda de
memórias e até de conhecimentos adquiridos por conta da reconfiguração
cerebral provocada pelos medicamentos”, diz Muotri. Se essas barreiras
forem ultrapassadas, os autistas não devem ser os únicos beneficiados.
“No futuro, talvez possamos ampliar a inteligência e a criatividade ao
acelerar o desenvolvimento de neurônios em um cérebro adulto.”

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas,
mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.
(Carl Gustav Jung)

sexta-feira, 12 de agosto de 2011




Inclusão Social

Pensar em inclusão social nos remete, necessariamente, ao
seu reverso: a exclusão social. Os dados da realidade
brasileira e mundial são tão marcantes quanto a exclusão,
que, ao pensar em um projeto sobre ética e cidadania,
somos levados a estabelecer a inclusão como um desejo,
uma realidade que só será alcançada com grandes
transformações sociais e políticas.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Os 10 mandamentos para pais de crianças especiais:
1. Viva um dia de cada vez, e viva-o positivamente. Você não tem controle sobre o futuro, mas tem controle sobre hoje.

2. Nunca subestime o potencial do seu filho. Dê-lhe espaço, encoraje-o, espere sempre que ele se desenvolva ao máximo das suas capacidades. Nunca se esqueça da sua capacidade de aprendizagem, por pequena que seja.

3. Descubra e permita mentores positivos: familiares e profissionais que possam partilhar consigo a experiência deles, conselhos e apoio.

4. Proporcione e esteja envolvido com os mais apropriados ambientes educacionais e de aprendizagem para o seu filho desde a infância.

5. Tenha em mente os sentimentos e necessidades do seu cônjuge e dos seus outros filhos. Lembre-lhes que esta criança especial não tem mais do seu amor pelo fato de perder com ele mais tempo.

6. Responda apenas perante a sua consciência: poderá depois responder ao seu filho. Não precisa justificar as suas ações aos seus amigos ou ao público.

7. Seja honesto com os seus sentimentos. Não pode ser um super-pai 24 horas por dia. Permita-se a si mesmo ciúmes, zanga, piedade, frustração e depressão em pequenas necessidades sempre que seja necessário.

8. Seja gentil para consigo mesmo. Não se foque continuamente naquilo que precisa de ser feito. Lembre-se de olhar para o que já conseguiu atingir.

9. Pare e cheire as rosas. Tire vantagem do fato de ter ganho uma apreciação especial pelos pequenos milagres da vida que os outros dão como garantidos.

10. Mantenha e use o sentido de humor. Desmanchar-se a rir pode evitar que seja desmanchado pelo stress

quarta-feira, 20 de julho de 2011

FELIZ DIA DO AMIGO

Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril. Oscar Wilde..

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Material para download - GUIA PARA PROFISSIONAIS E PAIS

Ele é autista... O que eu faço?

AUTISTANDO - FACEBOOK

Por Bruno Moury Fernandes

Provavelmente, se você receber um abraço do seu filho, interpretará aquilo como um simples gesto de carinho. Nada demais. Se ele simplesmente o olha atentamente, você terá esse ato como algo normal. O mesmo acont...ecerá se você o chamar e ele imediatamente responder. São atos banais do dia a dia de qualquer pessoa, certo? Errado. Essas atitudes podem ser de difícil execução para alguns especiais: os autistas. No caso deles, esse comportamento aparentemente corriqueiro pode significar superação e conquista.

Estes são alguns sinais e sintomas das pessoas inseridas no espectro autista: dificuldade de se relacionar de forma recíproca com outras pessoas, dificuldade no uso da imaginação, aversão ao contato físico, dificuldade em manter o contato visual, não compartilhamento do foco de atenção, dificuldade de iniciar, manter e terminar adequadamente uma conversa. Seria impossível listar todos os sinais aqui, pois o autismo se apresenta de diversas formas e em diferentes graus de dificuldade e comprometimento. 

O autismo é uma disfunção global do desenvolvimento. É uma alteração que afeta a capacidade de comunicação do indivíduo, de socialização (estabelecer relacionamentos) e de comportamento (responder apropriadamente ao ambiente). Estima-se que cerca de 70 milhões de pessoas no mundo sejam autistas. No Brasil, esse número pode chegar a 2,5 milhões de indivíduos. São dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Trata-se de um problema de saúde pública que deve, portanto, ser devidamente enfrentado pelas autoridades competentes.

A completa ignorância da sociedade sobre o assunto talvez seja o maior obstáculo enfrentado pelos autistas e por seus familiares. A medicina, por sua vez, ainda “escorrega” nessa área. Não se sabe ao certo como surge. Ainda não se sabe qual a cura, mesmo que existam registros de pessoas que tenham saído do espectro.

O autista, do ponto de vista legal, é considerado um deficiente físico e, como tal, está amparado por legislação. A Lei Federal 7.853/89 determina que cabe ao poder público e a seus órgãos assegurar às pessoas portadoras de deficiência o pleno exercício de seus direitos básicos, inclusive dos direitos à educação, à saúde, ao trabalho, ao lazer, à previdência social e ao amparo à infância.

Hoje (2/4), neste Dia Mundial de Conscientização do Autismo, vários monumentos pelo mundo (inclusive o Cristo Redentor) estarão iluminados com a cor do movimento: azul. Desejável que essa data, decretada pela ONU, servisse de reflexão para toda a sociedade brasileira, profissionais, famílias, planos de saúde, escolas e poder público.

Juntos, podemos difundir o conhecimento acerca do autismo, assim como foi feito com a síndrome de Down nos últimos 20 anos. Com conhecimento pela sociedade e com a intervenção adequada, o autista pode ter vida social, constituir família, trabalhar, estudar, praticar esportes, ir e vir.

O autista não precisa da sua piedade. Precisa apenas da sua compreensão e aceitação. O poder do olhar e do abraço de uma criança autista é algo divino. Neles, detectamos mistério, esperança, amor, ingenuidade, insegurança, pureza e superação. Tudo ao mesmo tempo. O autista é inteligente e feliz, conquanto muitas vezes pareça estar sozinho, isolado em seu “próprio mundo”. Ser autista é tão somente enxergar a vida por outro ângulo, com outros olhos. Olhos de Yeshua.

* Bruno Moury Fernandes é advogado e membro do Grupo de Estudos do Transtorno Invasivo do Desenvolvimento (Getid).Ver mais

quarta-feira, 1 de junho de 2011

ORAÇÃO DAS CRIANÇAS ESPECIAIS

"Bem aventurados os que compreendem o meu estranho passo a caminhar.
Bem aventurados os que compreendem que ainda que meus olhos brilhem, minha mente é lenta.
Bem aventurados os que olham e não vêem a comida que eu deixo cair fora do prato.
Bem aventurados os que, com um sorriso nos lábios, me estimulam a tentar mais uma vez.
Bem aventurados os que nunca me lembram que hoje fiz a mesma pergunta duas vezes.
Bem aventurados os que compreendem que me é difícil converter em palavras os meus pensamentos.
Bem aventurados os que me escutam, pois eu também tenho algo a dizer.
Bem aventurados os que sabem o que sente o meu coração, embora não o possa expressar”.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

AUTISMO - BIBLIOTECA VIRTUAL

AUTISMO - BIBLIOTECA VIRTUAL

COMO ENSINAR CRIANÇAS AUTISTAS

COMO ENSINAR CRIANÇAS AUTISTAS

MATERIAL PARA DOWNLOAD

>> LEI SOBRE A INCLUSÃO ESCOLAR

LEI Nº 7.853, DE 24 DE OUTUBRO DE 1989.

Art. 8º Constitui crime punível com reclusão de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa:
I – recusar, suspender, procrastinar, cancelar ou fazer cessar, sem justa causa, a inscrição de aluno em estabelecimento de ensino de qualquer curso ou grau, público ou privado, por motivos derivados da deficiência que porta;
II – obstar, sem justa causa, o acesso de alguém a qualquer cargo público, por motivos derivados de sua deficiência;
III – negar, sem justa causa, a alguém, por motivos derivados de sua deficiência, emprego ou trabalho;
IV – recusar, retardar ou dificultar internação ou deixar de prestar assistência médico-hospitalar e ambulatorial, quando possível, à pessoa portadora de deficiência;
V – deixar de cumprir, retardar ou frustrar, sem justo motivo, a execução de ordem judicial expedida na ação civil a que alude esta Lei;
VI – recusar, retardar ou omitir dados técnicos indispensáveis à propositura da ação civil objeto desta Lei, quando requisitados pelo Ministério Público.

FONTE: WWW.INCLUSIVE.ORG.BR O Portador Caiu. Falando sobre Deficiência. Dicas Rápidas para Jornalistas

segunda-feira, 2 de maio de 2011

HOMENAGEM AS MÃES, ASSIM COMO EU!! DIFERENTES E IGUAIS A TANTAS OUTRAS.

BEM VINDO À HOLANDA
por Emily Perl Knisley, 1987


Freqüentemente, sou solicitada a descrever a experiência de dar à luz a uma criança com deficiência - Uma tentativa de ajudar pessoas que não têm com quem compartilhar essa experiência única a entendê-la e imaginar como é vivenciá-la.

Seria como...

Ter um bebê é como planejar uma fabulosa viagem de férias - para a ITÁLIA! Você compra montes de guias e faz planos maravilhosos! O Coliseu. O Davi de Michelângelo. As gôndolas em Veneza. Você pode até aprender algumas frases em italiano. É tudo muito excitante.

Após meses de antecipação, finalmente chega o grande dia! Você arruma suas malas e embarca. Algumas horas depois você aterrissa. O comissário de bordo chega e diz:

- BEM VINDO À HOLANDA!

- Holanda!?! - Diz você. - O que quer dizer com Holanda!?!? Eu escolhi a Itália! Eu devia ter chegado à Itália. Toda a minha vida eu sonhei em conhecer a Itália!

Mas houve uma mudança de plano vôo. Eles aterrissaram na Holanda e é lá que você deve ficar.

A coisa mais importante é que eles não te levaram a um lugar horrível, desagradável, cheio de pestilência, fome e doença. É apenas um lugar diferente.

Logo, você deve sair e comprar novos guias. Deve aprender uma nova linguagem. E você irá encontrar todo um novo grupo de pessoas que nunca encontrou antes.

É apenas um lugar diferente. É mais baixo e menos ensolarado que a Itália. Mas após alguns minutos, você pode respirar fundo e olhar ao redor, começar a notar que a Holanda tem moinhos de vento, tulipas e até Rembrants e Van Goghs.

Mas, todos que você conhece estão ocupados indo e vindo da Itália, estão sempre comentando sobre o tempo maravilhoso que passaram lá. E por toda sua vida você dirá: - Sim, era onde eu deveria estar. Era tudo o que eu havia planejado!.

E a dor que isso causa nunca, nunca irá embora. Porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa.

Porém, se você passar a sua vida toda remoendo o fato de não ter chegado à Itália, nunca estará livre para apreciar as coisas belas e muito especiais sobre a Holanda

domingo, 10 de abril de 2011

Célula do dente de leite pode ter função curativa no tratamento de autismo


Uma nova descoberta fará pais guardarem os dentes de leite dos filhos. Pesquisadores brasileiros informaram que a polpa dos dentes ajuda a criar células-tronco que podem dar origem a qualquer outra do corpo humano.

O objetivo da técnica é usar para tratar crianças com autismo já que as células-tronco adultas dos dentes conseguem regredir e podem originar qualquer parte do corpo humano. A invenção pode tornar o processo de cura menos traumático.

Para chegar às células-tronco adultas do dente, houve o processo de regressão até um estágio pluripotente induzido (ou iPS, em inglês), que tem propriedades semelhantes às das versáteis células-tronco embrionárias.

De acordo com a pesquisadora líder do trabalho, Patrícia Beltrão Braga, da USP, as células dos dentes têm algumas proteínas encontradas nas células embrionárias. “Isso nos fez levantar a hipótese de que a reprogramação poderia ser mais rápida e eficiente”, ressalta ela. Há indícios que as células dentárias têm semelhanças com as do sistema nervoso.

Segundo o farmacêutico, tutor do Portal Educação, Ronaldo de Jesus Costa, há uma observação muito importante sobre a pesquisa, que é a questão da tendência da célula a se diferenciar em um tipo celular, ou seja, a questão da memória. “Se tende para um lado, então não seria bem uma célula tronco embrionária. Por isso, deixar de lado a ideia de utilizar embriões inviáveis para obtenção ainda é cedo, mas a possibilidade de utilização de células do tecido nervoso é muito promissora, uma vez que é um tecido com taxa de regeneração tendendo a zero”, explica Costa.


FONTE: http://www.campograndenoticias.com.br/saude/celula_retirada_do_dente_de_leite_pode_ajudar_no_tratamento_de_a.htm

terça-feira, 29 de março de 2011

AUTISMO DIA 02 DE ABRIL DIA INTERNACIONAL, VISTA AZUL, PARTICIPE

Ciência Hoje ...Autismo enigma para a medicina

Autismo: Ainda um Enigma

Há mais de 70 anos cientistas de todo mundo se dedicam a estudar aquela que é uma das mais enigmáticas desordens neurológicas: o autismo. Embora muitos avanços tenham sido feitos na área clínica, os mecanismos moleculares, genéticos e neurobiológicos desse distúrbio permanecem em grande parte desconhecidos. Novos estudos, entretanto, parecem dar esperança para se recomendar tratamentos e medicamentos mais eficazes em um futuro próximo.

==-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=
“Ele vive no seu próprio mundo.” A frase é bastante utilizada para descrever de forma leviana pessoas distraídas, que dão pouca atenção ao que acontece ao seu redor. As mesmas palavras, entretanto, ganham um significado muito mais enfático quando se referem a um portador de autismo – uma desordem neurológica manifestada por uma tríade de sintomas: déficit de interação social, dificuldade de linguagem e comportamento repetitivo.
A imagem clássica da pessoa autista – reproduzida em filmes, livros e seriados de televisão – é a de um indivíduo indiferente ao ambiente que o cerca, balançando para frente e para trás, sem olhar nos olhos de ninguém, conversar ou demonstrar interesse por qualquer assunto. Como todos os estereótipos, essa representação do autismo não pode ser encarada como verdade absoluta.
Afinal, o autismo não é uma disfunção única, mas sim um espectro de problemas, que variam de intensidade e tipo. Uma criança com um autismo leve como a síndrome de Asperger, por exemplo, pode conversar, frequentar escolas normais e ter uma vida independente quando envelhecer. E é justamente por abarcar uma infinidade de comportamentos e sintomas secundários que médicos e cientistas preferem classificar o distúrbio, de maneira mais geral, como desordens do espectro autista (ASD, na sigla em inglês).
Como um dos principais sintomas do autismo é a dificuldade de interação social e de comunicação, torna-se um duplo desafio para pais, médicos, neurologistas, psicólogos e psiquiatras diagnosticar e tratar de crianças que apresentam esse comportamento. Não receber resposta a perguntas simples como ‘o que há de errado?’ e não conseguir estabelecer conexão com o filho ou paciente são situações cotidianas para pessoas que lidam de perto com o autismo. “É uma charada difícil de ser desvendada, e por isso decepcionante e frustrante”, comenta o neuropediatra Leonardo deAzevedo, do Instituto Fernandes Figueira (IFF-Fiocruz), no Rio de Janeiro.
DeAzevedo realiza estudos clínicos sobre o autismo, em especial sobre a relação entre o distúrbio e o sistema imunológico do seu portador. Além dele, outros pesquisadores e médicos do Laboratório de Neurobiologia e Neurofisiologia Clínica do setor de Neurologia do instituto têm as desordens do espectro autista como objeto de estudo, como é o caso do neurofisiologista Vladimir Lazarev e do neurologista Adailton Pontes, mais voltados para a neurofisiologia da desordem.
Diagnóstico: quanto antes, melhor
O documentário O nome dela é Sabine, dirigido pela atriz francesa Sandrine Bonnaire, apresenta bem alguns aspectos da vida de uma pessoa portadora de autismo. No filme, a diretora focaliza sua irmã, Sabine, portadora de um tipo de autismo que não é explicitado ao longo do documentário. Ela tem olhar vago, está acima do peso, não estabelece contato visual, repete a mesma pergunta várias vezes, não mantém uma conversa por muito tempo e tem surtos ocasionais de violência.
Sobre essa imagem triste da irmã, a diretora contrapõe trechos de filmes caseiros antigos, nos quais Sabine está completamente diferente. Mais magra, ela parece demonstrar mais domínio sobre seu corpo, conversa com a irmã com muito mais facilidade, dança e ri. A diferença entre essas duas Sabines é enorme, e logo o espectador compreende: por falta de diagnóstico e tratamento adequados, Sabine acabou por ser internada num hospital psiquiátrico, onde permaneceu por cinco anos. O filme parece ser um mea culpa de Sandrine em relação à piora drástica da irmã.
Episódios como esse, no entanto, em que uma criança portadora de autismo é erroneamente diagnosticada e, por isso, não passa por tratamentos adequados, não são raros, mesmo hoje em dia. No Brasil, por exemplo, ainda há muitos casos de diagnóstico tardio. A dificuldade, por parte dos pais, de perceber os sintomas em seus filhos ainda bebês, juntamente com o desconhecimento em relação ao distúrbio, fazem com que a criança seja apontada como autista somente quando está mais velha.
Esse cenário está longe do ideal. É de consenso geral entre os cientistas: quanto antes for feito o diagnóstico do autismo, mais fácil e eficiente é o tratamento e, consequentemente, também a melhora. Para o médico Estevão Vadasz, coordenador do Projeto Autismo no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, o ideal é que o diagnóstico seja feito quando a criança tem entre um ano e meio e dois anos. “O mais comum, no entanto, é a partir dos três anos de idade”, afirma.
Por apresentar diversos sintomas e níveis, o próprio diagnóstico para a desordem do espectro autista é bastante individualizado e subjetivo. Segundo Vadasz, a observação é a base para que se aponte se uma criança tem ou não autismo. “Observamos as três áreas mais afetadas pelas desordens autistas: a comunicação e a linguagem, a socialização; e os comportamentos repetitivos e interesses circunscritos”, explica o médico, acrescentando que não há um exame médico específico para o diagnóstico do autismo.
No Brasil, não há uma estimativa oficial do governo de casos de autismo na população e, para fins estatísticos, utilizam-se dados extrapolados de instituições estrangeiras, como o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC). Segundo um relatório de 2006 desse instituto, uma em cada 110 crianças é portadora de uma desordem do espectro autista. O número parece bastante alto, mas os critérios do instituto provavelmente englobam muitos níveis de autismo, inclusive os mais leves.
Os vários autismos
De maneira geral, as desordens de espectro autista, que englobam uma grande variedade de comportamentos e problemas sob o ponto de vista clínico, podem ser divididas em dois ‘tipos’ de autismo. Obviamente, essa divisão é artificial e abarca em si outras muitas pequenas variações.
1) Síndrome de Asperger. Descrita pela primeira vez pelo pediatra austríaco Hans Asperger (1906–1980), é considerada uma forma de autismo mais branda. Seus portadores apresentam os três sintomas básicos (dificuldade de interação social, de comunicação e comportamentos repetitivos), mas suas capacidades cognitivas e de linguagem são relativamente preservadas. Na verdade, alguns até mesmo apresentam níveis de QI acima da média, motivo pelo qual a criança portadora da síndrome de Asperger é comumente representada como um pequeno gênio que descobre códigos e resolve enigmas. Entretanto, a síndrome de Asperger engloba aproximadamente 20-30% dos portadores de desordens do espectro autista.
2) Autismo ‘clássico’. É o tipo descrito pelo médico austríaco erradicado nos Estados Unidos Leo Kanner (1894-1981). Kanner foi o primeiro a utilizar a nomenclatura “autismo infantil precoce”, em um relatório de 1943, no qual [ele] descrevia 11 crianças com comportamentos muito semelhantes. O médico utilizou expressões como ‘solidão autística’ e ‘insistência na mesmice, que hoje são sintomas ainda tipicamente encontrados em pessoas autistas. Os portadores desse ‘autismo clássico’ têm comprometimento das capacidades cognitivas que varia de moderado a grave, além da dificuldade de interação social, de comunicação e do comportamento repetitivo. Os autistas chamados de ‘alto funcionamento’
3) Autistas do tipo regressivo. Essa variação no espectro de desordens autistas inclui aqueles que se desenvolvem normalmente até aproximadamente 1 ano e meio, e em seguida, até os 3 anos, sofrem regressão da linguagem e do comportamento tornando-se autistas.
A força da genética
Desde que o autismo foi descrito pela primeira vez, em 1943, pelo médico austríaco Leo Kanner, um sem-número de estudos já foi feito sobre a desordem, mas ela ainda é considerada uma das mais enigmáticas da ciência. Muitas hipóteses e teorias foram levantadas para explicá-la, e um número igual delas já foi derrubado. Chegou-se a dizer, por exemplo, que vacinas poderiam causar intoxicação que levaria ao autismo; que determinados alimentos causariam o distúrbio; e até mesmo que a mãe era culpada pelo surgimento dos sintomas no filho.
“Não há comprovação de nenhum fator ambiental no surgimento do autismo”, afirma o neurofisiologista Vladimir Lazarev, do Instituto Fernandes Figueira (IFF). Juntamente com o médico Adailton Pontes, também do IFF, Lazarev tem conduzido estudos sobre o perfil neurofisiológico de crianças portadoras de autismo (ver ‘Em busca do diagnóstico preciso’ em CH 224).
Fora do Brasil, a ideia geral é também que “além de processos genéticos, não se conhece outras possíveis causas cientificamente viáveis para o autismo”, nas palavras do psicólogo Ami Klin, coordenador do Programa de Autismo da Universidade de Yale (Estados Unidos). O desconhecimento de influências do ambiente, no entanto, não significa que elas não existam.
Os processos genéticos aos quais Klin se refere são, na verdade, mutações genéticas – ou seja, microdeleções, inversões ou duplicações de determinados genes – que se descobriu ter relação com o autismo. “Os fatores genéticos respondem por mais de 90% das causas para o autismo”, explica o neuropediatra Leonardo deAzevedo. Os outros possíveis fatores não são conhecidos, e podem ser, por exemplo, resultado de problemas durante a gravidez, como rubéola, toxoplasmose e acidentes.
Não há apenas um gene relacionado ao distúrbio, mas vários, o que dificulta o trabalho dos cientistas. “O envolvimento de múltiplos genes pode responder por mais de 90% dos casos de propensão para o autismo”, explica deAzevedo. Esse mapeamento, embora impreciso, é importante, pois possibilita a elaboração de possíveis tratamentos ou medicamentos que suprimam as faltas ou estabilizem os excessos causados pelas mutações genéticas.
Entre os genes-candidatos, estão dois responsáveis pelo metabolismo da serotonina, um neurotransmissor que tem um papel regulador de determinadas fases do sono. Outra possibilidade é o gene RELN, codificador de uma proteína extracelular que coordena a migração de neurônios durante o desenvolvimento do cérebro. Essa proteína, chamada de relina, tem papel importante no desenvolvimento do córtex cerebral, do hipocampo e do cerebelo – estruturas nas quais já foram identificadas anormalidades em pessoas autistas.
No Brasil, a pesquisa genética também tem bons prognósticos. O laboratório coordenado por Vadasz no Hospital das Clínicas de São Paulo tem, além de uma área de diagnóstico e tratamento para distúrbios do espectro autista, um projeto de pesquisa voltado para a identificação de genes-candidatos à desordem e células-tronco. Vadasz é otimista. Para ele, em cinco ou 10 anos, será possível realizar intervenções terapêuticas. “A ideia é tirar células-tronco dos dentes de leite de crianças autistas, colocá-las em cultura e, com o tempo, diferenciar essas células em neurônios”, explica. Em seguida, os cientistas tentarão introduzir esses neurônios no sistema nervoso para suprir algumas falhas no processamento cerebral, numa técnica chamada de ‘reengenharia dos neurônios’.
Oxitocina: o ‘hormônio do amor’?
Entre todos os genes candidatos, a descoberta de um deles tem gerado efeitos práticos mais concretos. Trata-se do gene responsável pelo controle da produção da oxitocina, um hormônio relacionado ao sistema reprodutor feminino, que é produzido no hipotálamo. Apelidada de ‘hormônio do amor’ e ‘hormônio da confiança’ graças ao seu papel nas relações interpessoais e nos comportamentos afetivos, a oxitocina tem sido analisada em vários países por seu potencial de tratamento de alguns comportamentos autistas, como a ausência de contato visual e a dificuldade de relação com outras pessoas.
“Alguns estudos já comprovaram que pessoas com algum tipo de desordem do espectro autista possuem menos oxitocina no sangue periférico”, explica Azevedo. Em experimentação em roedores, percebeu-se que a proteína CD38 regula a secreção de oxitocina. Nos roedores em que falta a proteína CD38, os níveis de oxitocina no sangue são baixos.
Foi a partir dessa constatação que instituições do mundo todo têm realizado testes que analisam os efeitos da ingestão de oxitocina em pacientes autistas sob a forma de spray nasal. Um desses estudos, publicado na revista norte-americana PNAS, foi coordenado pela neurocientista francesa Elissar Andari, do Instituto Nacional de Pesquisas Científicas da França.
Andari e seus colegas conduziram um estudo com 13 pessoas portadoras de autismo de alto desempenho – aqueles que possuem suas capacidades cognitivas preservadas. Em um jogo no qual deveriam jogar uma bola e recebê-la de volta de três outros jogadores fictícios, os cientistas analisaram a interação das crianças em relação aos outros jogadores, que eram divididos entre bons, ruins e neutros. Aquelas portadoras de autismo não diferenciavam quais jogadores tinham melhor desempenho. No entanto, após a inalação de oxitocina, esses pacientes percebiam a diferença e interagiam mais com o jogador ‘bom’, lançando uma quantidade maior de bolas para ele.
“Diz-se que a oxitocina causa melhora em alguns comportamentos autistas essenciais, como o engajamento social, mas isso ainda não é comprovado totalmente”, opina Klin. No entanto, dados os excelentes resultados em estudos como o de Andari, a expectativa é de que futuramente se poderá tratar o autismo com oxitocina.
No Brasil, o grupo de deAzevedo, em colaboração com a professora Vivian Rumjanek, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, está estudando o comportamento desta proteína nas crianças autistas. Já no Hospital das Clínicas, em São Paulo, o tratamento com a oxitocina é feito por meio do contato com cães. Vadasz, coordenador do programa que realiza o tratamento, explica essa relação um tanto surpreendente: “Estudos já demonstraram que, quando temos algum contato com cães, nosso cérebro produz oxitocina”. Nos Estados Unidos, a chamada terapia assistida por cães (TAC) tem apresentado bons resultados.
Enquanto ela não vem… Os tratamentos
A oxitocina ainda está em fase de testes para o tratamento de sintomas do autismo. Por enquanto, o tratamento para o distúrbio passa por várias áreas médicas, e o grau de efetividade depende da idade em que é iniciado. A cura, entretanto, ainda não está num horizonte próximo. “Não sabemos de uma causa específica para o autismo e, até que isso seja conhecido, será difícil falar de cura”, explica Klin. “No entanto, há tratamentos comportamentais bastante efetivos que podem ajudar crianças e adultos a superar suas dificuldades.” Para ele, o objetivo com esses tratamentos – em sua maior parte sem a utilização de medicamentos – não é curar, mas ajudar os portadores dessa desordem no seu relacionamento com outros.
É difícil precisar um tipo específico de tratamento para desordens do espectro autista, primeiramente porque elas são muitas e bastante variáveis. Há crianças autistas que simplesmente não falam; outras que repetem a mesma frase fora de contexto muitas vezes; há aquelas que não demonstram interesse por absolutamente nada, e outras que escolhem um assunto específico para se aprofundar. O espectro é, de fato, bastante amplo. Por isso, tanto psicanalistas como outros médicos e pediatras concordam que o melhor é um tratamento individualizado, de acordo com as limitações apresentadas por cada pessoa.
Autora do livro Do silêncio ao eco: autismo e clínica psicanalítica,publicado pela Edusp, a psicanalista Luciana Pires defende essa abordagem individualizada. Depois de mais de dez anos de clínica dedicada ao tratamento de crianças autistas no Brasil e na Inglaterra, Pires chegou à conclusão de que a relação do paciente com o analista é ponto de partida para que este crie condições de melhorar o desenvolvimento subjetivo e emocional da criança. “Por detrás dos mesmos sintomas, temos posições subjetivas muito diferentes. Essa compreensão orienta a ação do psicanalista na clínica do autismo”, explica ela.
Cérebro: ainda há dúvidas
Se clinicamente o autismo é bastante conhecido e suas formas de tratamento já alcançaram relativo sucesso, os mecanismos pelos quais ele atua no cérebro ainda geram dúvidas. Muitas hipóteses consideradas têm sido derrubadas por falta de comprovação. De maneira geral, a teoria mais aceita pela comunidade científica é que as mutações genéticas causam falhas de conexão entre as diferentes regiões cerebrais, o que geraria problemas em algumas estruturas, como o cerebelo, o hipotálamo (onde se sintetiza, por exemplo, a oxitocina) e o córtex.
Lazarev e Pontes, pesquisadores do Instituto Fernandes Figueira, têm utilizado a eletroencefalografia para sustentar a hipótese de que, em cérebros de pessoas portadoras de autismo, há alteração na assimetria funcional entre os hemisférios direito e esquerdo. De acordo com essa hipótese, o hemisfério direito do autista teria menor nível de ativação em comparação com a mesma região de pessoas sem o distúrbio. Ao mesmo tempo, o hemisfério esquerdo teria o que eles chamam de hiperatividade, ou seja, hiperconectividade funcional entre as diferentes regiões deste hemisfério. A hiperatividade do hemisfério esquerdo seria, portanto, uma forma de ‘compensação’ da atividade relativamente baixa do lado direito.
“Há ainda quem pense, como o psicólogo inglês Baron-Cohen, que o cérebro autista seria hipermasculino, uma vez que ele tem o hemisfério esquerdo hiperativo”, explica Lazarev. Para entender a afirmação do neurofisiologista, é importante lembrar: enquanto o hemisfério direito é ligado às emoções e às relações interpessoais, o lado esquerdo responde mais pela lógica e racionalidade. A hipótese de assimetria cerebral, portanto, converge com os principais sintomas das desordens do espectro autista.
Klin, da Universidade de Yale, entretanto, tem uma visão diferente. “A hipótese de assimetria cerebral é antiga, e alguns pensam que ela simplifica o perfil neurofisiológico do autismo”, comenta. Para ele, uma hipótese mais provável é a da ‘conectividade atípica’, que é mais recente. Segundo ela, o cérebro de um portador de autismo apresenta hipoconectividade em conexões mais longas (como entre hemisférios) e hiperconectividade em conexões mais curtas – ou ‘locais’.
Para Lazarev e Pontes, o modelo comentado por Klin, e já definido por outros autores, não vai de encontro à sua hipótese. “Esses resultados foram encontrados por meio de avaliação das oscilações bioelétricas do cérebro, que mede a conectividade de curta e longa distância entre as áreas cerebrais”, explica Pontes. “Logo, nossa hipótese está em sintonia com o modelo de conectividade atípica.”
Esses modelos, entretanto, não devem ser vistos como uma tentativa de explicar os mecanismos específicos do cérebro autista. “Essa hipótese é uma visão geral para entender os padrões de imagem do cérebro autista”, explica Klin, acrescentando que as últimas descobertas sobre a genética do autismo apontam, por exemplo, para a existência de moléculas de adesão celular que têm papel no aprendizado. “De qualquer forma, alterações cerebrais resultantes de hipóteses celulares ou moleculares ainda não foram suficientemente desenvolvidas”, resume Klin.

Isabela Fraga
Ciência Hoje/RJ
Foto
Estás informações estão no http://autismovivenciasautisticas.blogspot.com/2010/10/autismo-ainda-um-enigma.html

domingo, 20 de março de 2011

SE VOCÊ AINDA NÃO CONHECE A REVISTA AUTISMO, ENTÃO!! APROVEITE PARA CONHECER É EXCELENTE.

http://www.revistaautismo.com.br/artigos/conversando-com-pais-de-filhos-pequenos

Poema para Dia Mundial do Autismo





Ame-me,
Por favor
Como eu sou…
Ame-me
Como você
Gostaria que eu fosse.
Quem me concebeu…
Não imaginou
Que seria assim tão duro…

Entender que vim autista.
Mas ame-me
Fale-me desse amor
Mesmo que eu não pareça entender
Mesmo que eu fuja e me refugie
Busque-me não deixe eu me perder…

Ame-me…
Como se visse em mim
A imagem e semelhança de ti
No espelho das águas…

Não se importe
Com minha falta de compreensão
Treine-me para entender o mundo
Mas acima de tudo
Ame-me…

Como se eu tudo entendesse
Como se eu não fosse um peso
Demonstre seu amor
Mesmo que eu não saiba
O significado da palavra…

Deus, eu posso sentir…
E creia que em meus sonhos
Eu te vejo e te amo…
Não me negue esse amor
Que enxerga além da matéria
Pois é dele que necessito…

E se nas horas que de ti eu exijo demais
Mesmo nas dúvidas constantes
Aquelas que você às vezes tem vontade de desistir
Por favor, não desista, mas Ame-me….

Autora: Liê Ribeiro
Paz e luz
mãe do Gabriel Gustavo, autista

sábado, 5 de março de 2011

QUEIXAS MAIS COMUNS RELATADAS POR PAIS




- meu filho não me olha quando é chamado
- quando a porta bate ele olha para a porta, mas não me olha quando eu o chamo
- ele ainda não dá xau
- meu filho ainda não está falando
- ele não brinca com os brinquedos como as outras crianças
- quando eu saio ele não chora
- quando eu volto para casa ele não se mostra estar feliz ao me ver
- ele não demonstra afeto como as outras crianças
- meu filho só brinca de enfileirar carrinhos, e objetos
- ele ainda faz xixi e cocô utilizando fraldas
- fica parado olhando para o nada
- gosta de ficar observando o ventilador
- não consigo entender o que ele quer, ele ainda não aponta
- pega na minha mão e me leva até o objeto que ele quer, e coloca a minha mão em cima do objeto que ele deseja
- gosta de ficar girando em círculos
- quando ouve algum barulho tapa os ouvidos
- faz muita birra
- não dorme bem
- percebo que meu filho embora seja muito novo ( 1 ano ou dois) já conhece caminhos
- sorri sem motivo aparente
- parece não entender o que eu falo, não entende o sentido das coisas

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Download de Materiais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO / SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

EDUCAÇÃO INFANTIL - SABERES E PRÁTICAS DA INCLUSÃO

SITES IMPORTANTES

www.universoautista.com.br/autismo/.../item.php?...

www.inspiradospeloautismo.com.br/.../Livros.html

www.cerebronosso.bio.br/novidades/2009/.../o-olhar-do-autista.html

http://autismoemfoco.googlepages.com/

www.autismo.com.br


Acesso Brasil
Actividades
AMA
Anjos de barro
Aromas de Portugal
Asperger ao longo da vida
Assino Inclusão
Associação de pais e amigos
AUMA
Autimismo
Autismo Brasil sites
Autismo com muito amor
Autismo Infantil
Autismo é tratável
Autismo-br
Autista no lar
Autistas.org
Brinqueduca
Cantinho criativo
Centro de Documentação e Informação
CIEPRE/Centro Interdisciplinar de Estudos e Pesquisa em Psicomotricidade Relacional
Com vida
Comunicação Pecs
Cronica autista
Cérebro nosso
Intelectuautismo
Jogos Didácticos
Música e inclusão
Nada de exclusão-QUEREMOS EDUCAÇÃO
Olhar Aspie
PECS
Pelo direito à educação
Portadores de deficiência e sociedade
Print paint / Desenhos p/ colorir
Projeto PAPE
Psicomotricista e Assistente Social
Terapia Ocupacional Infantil
Trilha de luz
Universo autista

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A Escola


A ESCOLA



"Escola é...

o lugar onde se faz amigos

não se trata só de prédios, salas, quadros,

programas, horários, conceitos...

Escola é, sobretudo, gente,

gente que trabalha, que estuda,

que se alegra, se conhece, se estima.

O diretor é gente,

O coordenador é gente, o professor é gente,

o aluno é gente,

cada funcionário é gente.

E a escola será cada vez melhor

na medida em que cada um

se comporte como colega, amigo, irmão.

Nada de ‘ilha cercada de gente por todos os lados’.

Nada de conviver com as pessoas e depois descobrir

que não tem amizade a ninguém

nada de ser como o tijolo que forma a parede,

indiferente, frio, só.

Importante na escola não é só estudar, não é só trabalhar,

é também criar laços de amizade,

é criar ambiente de camaradagem,

é conviver, é se ‘amarrar nela’!

Ora , é lógico...

numa escola assim vai ser fácil

estudar, trabalhar, crescer,

fazer amigos, educar-se,

ser feliz."



de Paulo Freire
Preconceito ainda é o maior desafio para os autistas




LEI INCLUI AUTISTA COMO DEFICIENTE FÍSICO



SOBRE O AUTISMO